Últimas notícias

Diferença entre Assistente e Auxiliar Administrativo

Se você leu alguns editais de concursos públicos, certamente já se perguntou sobre a diferença entre aqueles cargos de nomenclaturas tão semelhantes: 

Agente Administrativo, Oficial Administrativo, Assistente em Administração, Técnico Administrativo, Auxiliar Administrativo... e ainda outros como Técnico Judiciário, Auxiliar Legislativo, Oficial Legislativo... realmente são muitos cargos e nomes! 

Ao longo desse artigo você irá compreender a diferença entre Assistente Administrativo e Auxiliar Administrativo. Clique no link se você quer saber o porquê de tantos nomes diferentes para cargos "iguais" no serviço público, pois tratei disso em outro post!

Diferença entre Auxiliar Administrativo e Auxiliar de Secretaria
Mulheres trabalhando. (Foto: Ermakovasve/Pixabay.com)

Num primeiro momento, despreze todas as demais nomenclaturas das quais ouviu falar pois, teoricamente, só existem o Auxiliar Administrativo, o Técnico em Administração e o Administrador.  

Então, partiremos desse princípio para explicar os demais nomes dados à função administrativa por aí. Nesse artigo estou considerando que você já sabe o que faz um assistente administrativo

Caso não saiba, assista ao meu vídeo sobre o assunto abaixo ou abra-o em outra aba clicando no link anterior.


Ah, além disso, caso você esteja interessado em prestar concurso para Universidades Federais, acompanhe o panorama dos concursos previstos nesse artigo. Para saber sempre das atualizações do blog, não deixe de curtir a página no facebook.  

Me ajude a alcançar 10.000 seguidores no Instagram (@guydiown), para que eu possa divulgar links por lá também! Ajudando na divulgação do meu trabalho você me possibilita continuá-lo!


Diferença entre Auxiliar e Técnico em Administração



Toda essa complicação está contida na ciência social aplicada chamada administração já que, por definição, administrar significa "fazer coisas através de pessoas". 

Com esse conceito em mente podemos dizer que somente um cargo seria suficiente para isso, o de Administrador. Isso implicaria afirmar que uma só pessoa daria conta do recado. 

Porém, sabemos que, na prática, os objetivos são enormes e as instituições bastante complexas, então, não é possível que alguém sozinho dê conta de manter todo um sistema de gestão funcionando. 

É aqui que surgem as ramificações da função administrativa: o Técnico e o Auxiliar

Como ao Administrador cabe a gestão de uma entidade qualquer, seja ela um órgão público, uma ONG ou empresa privada ou simplesmente de um determinado setor dentro de uma destas, o Técnico em Administração é seu "assessor direto". Então, podemos exemplificar essa "assessoria técnica" da seguinte forma:

Imagine que a empresa "ABC" tenha criado um produto inovador e deseja saber como está sendo a aceitação deste entre os homens de 25 a 30 anos desde seu lançamento até trinta dias atrás.



- O Administrador necessita de um relatório contendo todas as vendas realizadas a um grupo específico de compradores num determinado período, para saber se os objetivos da empresa estão sendo atingidos. 

A análise de um relatório pode ter uma complexidade alta, portanto, demanda maior conhecimento teórico e deve ser feita pelo administrador.

Para exercer a função de Administrador, é necessário cursar o Bacharelado em Administração.

- O Técnico em Administração é quem produzirá esse relatório. 

A confecção de um relatório é uma tarefa de complexidade média e demanda algum conhecimento teórico, sendo executada pelo técnico. 

Para exercer a função de Técnico em Administração é necessário ter o curso técnico correspondente.

Nessa altura, você deve estar se perguntando: mas e o Auxiliar Administrativo, onde entra? Bem aqui! 


Acontece que o Técnico precisa de dados para a produção do relatório. A obtenção desses dados, no entanto, é bastante trabalhosa, pois envolve separar diversas notas de venda de um período específico e para um público específico. 

- A pesquisa e separação de documentos fica a cargo Auxiliar Administrativo.  

O motivo é: ser uma tarefa de baixa complexidade, mais trabalhosa do que difícil, requerendo menos conhecimentos teóricos do que as tarefas anteriores. 

Para trabalhar como Auxiliar Administrativo é recomendável o curso profissionalizante de auxiliar administrativo, mas muitas empresas admitem com o Nível Médio completo. Isso vai depender do lugar onde você pretende trabalhar.

Podemos dizer que o Auxiliar Administrativo é um "auxiliar do auxiliar", pois o Técnico já é considerado um Assistente do Administrador, daí o outro nome dado à função de Técnico em Administração: Assistente Administrativo

Devido à diferença de responsabilidades e requisitos, a remuneração de um Auxiliar é menor do que a de um Técnico que, por sua vez, é menor do que a de um Administrador.

Caso queira ver na prática como é a rotina de um Assistente Administrativo, assista ao meu vídeo abaixo:



Mais analogia, pra facilitar o raciocínio


Uma forma ainda mais fácil de assimilar esses conceitos é através da analogia com uma outra área do saber: a das ciências biológicas humanas. Vamos ao exemplo sobre as funções de Técnico em Enfermagem e Auxiliar em Enfermagem.

Recepcionista, Secretária, Atendente
Seringa. (Foto: whitesession/Pixabay.com)
Imagine que exista uma fila com 10 pacientes que necessitam de uma injeção intravenosa. Certamente você já tomou injeção na veia alguma vez na vida, então esse exemplo irá deixar as coisas ainda mais claras!

- O Auxiliar de Enfermagem prepara a bandeja com seringa, gaze, soro e ampolas. Vai até cada um dos pacientes e aperta o garrote (aquela borrachinha que põe antes de tirar sangue). Passa o algodão com álcool na região e pronto: o paciente está preparado. Como no exemplo anterior, a tarefa do auxilar envolve mais trabalho e menos complexidade, exigindo menos conhecimento técnico.

- O Técnico de Enfermagem, por sua vez, passa aplicando sua técnica (as injeções). Aplicar uma injeção é uma tarefa de alta complexidade - e põe alta nisso! - e dependendo dos casos e locais de aplicação, podem exigir até um curso específico. Nesse caso, há mais conhecimento teórico envolvido no trabalho.



Os exemplos dados aqui para ilustrar a separação entre os cargos foram bem simplórios e podem não corresponder ao que acontece na prática, principalmente porque o empregador normalmente exige que o mínimo de funcionários exerça o máximo de atividades. Vai depender da rigidez não só da Lei, mas da fiscalização naquela área.

Ou seja, você vai ver por aí muitos Técnicos em Administração fazendo a pesquisa para o próprio relatório (ou administradores fazendo a pesquisa, o relatório e a análise) etc. É bastante comum, inclusive. A coisa pode ser mais regrada na área da saúde, por exemplo. Mas, não duvido que aconteça!

O que devemos compreender é que a principal diferença reside na diversidade de complexidades existente nas funções administrativas, assim como foi demonstrado que existe na área da enfermagem. É isso que leva à diferença salarial, diferença de responsabilidades etc. Espero que tenha compreendido essa essência. Agora vamos à próxima parte do assunto: como fica isso nos concursos públicos? 


Requisitos, salários, concorrência, atribuições


Uma peculiaridade do Serviço Público é admitir "técnicos sem canudo" para os cargos técnico-administrativos, ou seja, sem formação técnica de fato. Em vez disso, exigem apenas a formação de nível médio. 

No entanto, o conhecimento teórico referente ao nível técnico (as vezes até superior) é cobrado na prova do concurso. Isso costuma ser mais difícil do que obter um diploma de Técnico em Administração.

Falando no tal diploma, há muitos órgãos que já o exigem para o exercício do cargo. São exemplos as Universidades Federais, cuja Lei que trata do Plano de Carreira permite a contratação tanto com Nível Médio + experiência na função administrativa quanto com o Diploma de Nível Técnico. Podemos falar melhor disso em outra oportunidade.

De forma geral, nos concursos para Assistente em Administração é exigido o Nível Médio e o salário é superior ao do cargo de Auxiliar Administrativo. Se quiser saber mais sobre o salário do Assistente em Administração, assista a esse vídeo:


Da mesma forma, os concursos para o cargo de Auxiliar Administrativo não costumam exigir curso profissionalizante em administração, mas nível fundamental ou médio com conhecimentos técnicos. Vai entender!?

Num primeiro momento você pode pensar que é mais fácil prestar concurso para o cargo de Auxiliar Administrativo, já que ele exige o nível fundamental. 

Mas, tome cuidado com a concorrência nesse tipo de concurso, pois não é só você que está pensando assim! Às vezes o concurso para Assistente Administrativo é menos concorrido do que o para Auxiliar Administrativo. Já tinha pensado nisso? 

Sobre a diferença das atribuições no serviço público não é tão fácil falar, já que as atribuições desses cargos no cotidiano dos órgãos públicos é praticamente idêntica. 

Então, é exatamente isso que você deve ter em mente quando for prestar seu próximo concurso: na prática, as funções de Auxiliar e Assistente Administrativo se confundem, são iguais, então é melhor que você preste logo o concurso para Assistente Administrativo, que paga mais!


Se você está se preparando para concursos públicos, a melhor maneira de otimizar seu tempo é estudar com eficiência. Quer se tornar um concurseiro de alto nível? Indico fortemente o livro do Fernando Mesquita: Ciclo EARA - O processo da aprovação. Para saber mais é só clicar na imagem abaixo: 



E aí, alguma outra dúvida? Deixe seu comentário aqui ou lá no youtube!


Curtiu? Inscreva-se no meu canal no youtube e me siga nas redes sociais para não perder nenhum post! Criei também essa página no face onde compartilharei todas as postagens do youtube e do blog! Seguindo por lá você não perde nenhum conteúdo e fica sempre atualizado :D  


Até a próxima,
Fui!

. . . 

7 comentários:

  1. Bom artigo, cara!
    Você acha que as autarquias podem passar a cobrar o curso técnico em administração, para os assistentes, futuramente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Flavio!
      Acredito bastante nisso, cara.
      Um dos motivos é que algumas Universidades Federais como a UFF já fazem essa cobrança em concursos. Ou seja, o primeiro passo já foi dado. Na matéria sobre o IFRJ que postei aqui no site, por exemplo, você vê no Edital de 2015 que o Instituto também fez essa cobrança. Porém, permitiu também ingresso aos candidatos de nível médio com 12 meses de experiência na área administrativa. Sem alarde, até porque essas mudanças levam tempo... mas creio que no futuro o requisito será o nível técnico.

      Excluir
  2. Obrigado! Cara!
    Qualquer movimentação quanto a UFRRJ conta pra nós! hahaha
    abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas com certeza! Curte a página "O primeiro passo do concurseiro" lá no face, pois todas as novidades do blog e do youtube estou jogando lá :D
      Abração

      Excluir
  3. Oi. Pelo o que eu entendi se um concurso público pedir curso técnico em administração e eu apresentar diploma em assistente administração da no mesmo, é isso?

    ResponderExcluir